O que você procura
você está no Hospital Barra D'Or
Hosp Assunção
Hosp Badim
Hosp Bangu
Hosp Barra D'Or
Hosp Bartira
Hosp Caxias D'Or
Hosp Copa D'Or
Hosp e Mat Brasil
Hosp Esperança Olinda
Hosp Esperança Recife
Hosp iFor
Hosp Israelita
Hosp Niteroi D'Or
Hosp Norte D'Or
Hosp Oeste D'Or
Hosp Quinta D'Or
Hosp Ribeirão Pires
Hosp Rios D'Or
Hosp SANTA LUZIA
HOSP SÃO LUIZ
Hosp São Marcos
Hosp Sino Brasileiro
Hosp Villa-Lobos
Mudar hospital

Notícias


27/06/2017 - Criança pegou infecção em pula-pula

 

 

Brenda Sanderson, uma mãe norte-americana, se assustou quando percebeu que feridinhas começaram a aparecer em grande quantidade no corpo de um de seus filhos. O susto foi ainda maior quando, ao levá-lo na emergência, ela descobriu que o pequeno estava com uma infecção. As informações são do site Fox News, que informou que tudo começou quando o garoto começou a apresentar algumas bolhas na pele que depois se tornaram feridinhas. 

O caso só despertou a atenção da mãe quando elas começaram a doer. Levado ao hospital, o pequeno foi diagnosticado com impetigo, uma doença que pode ser causada por dois tipos de bactéria e requer tratamento específico. De acordo com o médico que atendeu a família e relato da mãe, o garoto desenvolveu a infecção depois de brincar em um pula-pula inflável.

Impetigo: o que é? 
 
De acordo com a pediatra Dra. Carla Dall Olio, coordenadora da Emergência Pediátrica do Hospital Barra D'Or, no Rio de Janeiro, impetigo é uma doença que se desenvolve comumente em crianças entre 2 e 5 anos. Aglomeração típica das escolinhas e creches, o contato com outras crianças nos momentos de lazer somado ao fato de que nessa idade a crianças costumas ter mais lesões de pele provenientes de picadas e outros machucados são os principais fatores para a alta contaminação. 

O contágio, como a médica explica, acontece através de dois tipos diferentes de bactérias que ficam na derme ou nas vias aéreas da própria criança e entram no organismo quando algum machucadinho ocorre. 

“A bactéria pode estar lá, habitando nossa derme, mas quando a criança sofre um trauma e corta a pele, ela entra e causa a infecção”, explica.O contato com essas bactérias, segundo Dra. Carla, pouco tem relação com o ambiente em que a criança está inserida e, por isso, pais não precisam se preocupar com a presença dos pequenos em brinquedos infláveis, estando eles em condições aceitáveis de higiene. “Para pegar a bactéria é preciso ter contato pele a pele com outras crianças ou até mesmo com adultos, na própria casa. É muito difícil achar de onde ela vem”, comenta.

Comum, a infecção, quando tratada, não causa nenhum problema mais grave. “É importante, ao observar que existem machucadinhos virando bolhas e formando casquinhas, buscar ajuda médica para ter um diagnóstico”, orienta a especialista. O tratamento é feito com antibiótico, que pode ser de uso tópico ou oral, a depender do caso.

O único cuidado, reforça a pediatra, é procurar tratamento médico assim que os sintomas forem identificados para que o tipo mais raro da bactéria não evolua para infecções mais sérias. “Só quando o tratamento não acontece é que esse tipo mais raro de germe pode aumentar o risco de uma complicação”, comenta. 

Sintomas da impetigo 

De acordo com a pediatra, os sinais da infecção são bem fáceis de serem identificados. “Geralmente começa com a formação de algumas pápulas [erupções] cutâneas que evoluem para vesículas [bolhas]. Depois, é comum aparecer crostas [casquinhas] com um tom dourado bem característico com uma vermelhidão ao redor”, explica. 

Prevenção

A prevenção depende de cuidados muito básicos e já adotados no dia a dia. “Para reduzir os riscos de contaminação é importante enxugar muito bem a criança depois do banho, para evitar que algumas regiões do corpo fiquem úmidas, estimular a lavagem das mãos com frequência e hidratar a pele”, orienta Dra. Carla. 

Fonte: Portal Vix
 
#RedeDOr  #BarraDOr